BLOG WIKKI

COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS EXCLUSIVOS SOBRE CULTURA E ENGENHARIA

blog-wikki-brasil-o-maior-blog-de-engenh

BLOG WIKKI

COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS EXCLUSIVOS SOBRE CULTURA E ENGENHARIA

Simulação de escoamentos em meios porosos em reservatórios

1. Contextualização


Processos de escoamento multifásicos em meios porosos possuem uma ampla aplicação em muitos campos científicos, técnicos e de engenharia, como engenharia de petróleo, água subterrânea, hidrologia de zona vadosa, remediação de contaminação e armazenamento de recursos subterrâneos. Devido às necessidades dessas áreas, enormes esforços de pesquisa e desenvolvimento foram dedicados à investigação da física do escoamento multifásico e do transporte em meios porosos e fraturados no século passado. Muitas abordagens e modelos quantitativos foram desenvolvidos e aplicados com sucesso para descrever, compreender e prever o comportamento desse fenômeno em reservatórios. Atualmente, estudos de modelagem numérica são realizados rotineiramente para investigar fenômenos físicos com o objetivo de otimizar a concepção e operação do projeto de campo, produção ou limpeza, que pode não ser possível sem a ajuda de uma ferramenta de modelagem numérica.


2. Fenômeno físico envolvido


No que tange à física associada à produção de óleo e gás, para que um fluido seja capaz de fluir em direção a um poço, deve haver uma força motriz baseada na diferença de pressão entre o reservatório e o poço para impulsioná-lo. Tomando um reservatório de óleo como exemplo, a recuperação primária é o escoamento que ocorre naturalmente em direção aos poços, mas isso não vai persistir sem a força motriz dentro do reservatório ou fornecida de fora. Para manter a produtividade do óleo ou do gás a longo prazo, métodos de recuperação secundários, como inundação de água e injeção de gás, são usados. Além disso, a recuperação terciária de petróleo tem sido rotineiramente usada por meio da injeção de produtos químicos ou energia térmica em reservatórios de petróleo para melhorar a produção ou o desempenho dos mesmos [ 1, 2 ].


Os processos físicos associados ao escoamento multifásico em meios porosos são modelados pelas mesmas leis fundamentais de conservação que as usadas em qualquer ramo das ciências e da engenharia, como a conservação de massa, momento linear e energia. Essas leis físicas em meios porosos são bem conhecidas no nível dos poros; entretanto, na prática, para a aplicação em laboratório ou campo, geralmente, o interesse é voltado apenas para o comportamento global ou na média do volume do sistema de meio poroso. Devido à complexidade das geometrias dos poros e à heterogeneidade de um sistema de meio poroso, o comportamento macroscópico não é facilmente deduzido daquele ao nível dos poros ou microescala. Para entender melhor essa relação entre as escalas do problema, a seção seguinte destaca as principais existentes e suas respectivas características.


3. Principais escalas de estudo


Os sistemas físicos a serem estudos exibem comportamentos diferentes de acordo com a escala espacial e temporal avaliadas. Portanto, para modelar o escoamento de fluidos no meio poroso, é crucial compreender as respectivas escalas espaciais e temporais do problema a ser estudado, pois, caso essas escalas sejam muito grandes, a descrição matemática pode falhar na predição do comportamento. Enquanto que, em escalas muito pequenas, a descrição matemática pode resolver detalhes supérfluos que aumentam a complexidade e o tempo computacional. Na literatura, são abordadas quatro principais escalas: a escala molecular, a micro-escala, a escala de resolução e a macro-escala, que serão detalhadas a seguir.


a) Escala molecular: esta escala é da ordem de nanômetros e os movimentos de todas as moléculas em um sistema podem ser considerados de forma determinística. Os algoritmos que calculam a dinâmica das moléculas atualizam as posições e momentos delas por meio da segunda lei de Newton. Sendo assim, o uso desta abordagem é bem amplo para diferentes físicas associadas, visto que, a física das interações moleculares é, geralmente, bem compreendida. Entretanto, esse tipo de simulação é severamente limitada, pelo nível de detalhamento ser computacionalmente proibitivo em maiores escalas


b) Microescala: ela é definida como a menor escala de comprimento na qual o modelo contínuo pode ser aplicado. Sua principal diferença em relação à escala molecular consiste em ignorar o comportamento molecular em favor de aproximações contínuas. Os estudos em microescala oferecem oportunidades de acessar informações que não estão disponíveis nas abordagens macroscópicas e melhorar a compreensão conceitual do comportamento do sistema. No caso de descrições macroscópicas incompletas, as abordagens para essa escala fornecem uma base para estudar as suposições e aproximações adotadas para a macroescala.


c) Escala de resolução: a escala de resolução é a necessária para resolver as características de um determinado escoamento e está relacionada à escala de comprimento natural de um sistema de meio poroso. O seu comprimento pode variar dependendo do problema específico estudado.


d) Macroescala: consiste na maior das três escalas, cujos detalhes das configurações do espaço entre os poros são inacessíveis para a maioria dos sistemas a serem simulados. Para a representação destas escalas maiores, as abordagens requerem uma modelagem contínua que descreve o comportamento geral baseado em um comportamento médio. Ela possui a vantagem de negligenciar muitos detalhes da microescala, que podem não afetar, de forma significativa, o transporte em grandes escalas. Sendo assim, pode ser definida como a escala de comprimento, na qual as propriedades do sistema são invariáveis em relação ao tamanho do sistema. Nela, é possível explorar a hierarquia das escalas de comprimento por meio de uma estrutura multiescala, que desenvolve estratégias para transferir informações entre as escalas citadas.


Existem também outras escalas de comprimento como a submolecular, que podem ser importantes quando os efeitos da mecânica quântica são significativos e escalas de comprimento macroscópico maiores (escala de campo ou escala regional), que também são importantes, quando a heterogeneidade em grande escala deve ser considerada [3].



4. Simulações em macro-escala



Primeiramente, os modelos macroscópicos foram formulados como leis empíricas, como a equação de Darcy e a sua formulação generalizada para escoamentos monofásicos e multifásicos [4,5,6]. Dentro dessa categoria de modelos também entram a equação de Brinkman [7,8], a equação de advecção-dispersão [9,10].


No contexto da evolução destes modelos, o de aumento de escala (upscaling) permite trazer as informações da microescala para a macroescala. Embora estes modelos possuem suas próprias particularidades, o objetivo principal é fundamentalmente o mesmo, gerar, de maneira formal, balanços diferenciais de escala macroscópica e completá-los por um processo de fechamento, também formal. Por isso, estes métodos possuem a definição da média de uma função sobre um volume de suporte (como o um volume elementar representativo na teoria de média, ou a célula unitária na teoria de homogeneização) e a construção de uma equação efetiva para tais quantidades médias [11] . A seção seguinte aborda uma breve descrição do caso bifásico, para exemplificar o modelo baseado em teoria de média com uma série de simplificações para o uso da equação de Darcy.


4.1. Escoamento bifásico


Considerando o meio poroso na escala macroscópica, o escoamento é governado por equações promediadas, cujas células computacionais contém uma fase sólida e espaços vazios, como pode ser observado na Figura 1.

Figura 1: Diagrama esquemático do meio poroso.


Esses espaços vazios são representados, na macroescala, como a porosidade conforme a equação a seguir:

Onde Vv é o volume ocupado de vazios e Vc o volume da célula. Para modelar mais de uma fase em escoamento pelos espaços vazios, temos que introduzir a noção de saturação da fase i (Si). Ela é definida pelo percentual de preenchimento da fase i dentro do espaço poroso de uma célula:

Onde Vi representa o volume ocupado pela fase i dentro do volume de espaço vazio. Considerando a fase molhante 2 e não molhante 1, são avaliados os escoamento de ambas as fases. Dito isso, as saturações satisfazem a seguinte relação:

Considerando um escoamento multifásico incompressível em um meio poroso, a equação de balanço de massa para cada fase é:

Onde ui representa a velocidade superficial e qi é um termo fonte, usado para poços de injeção ou extração. No modelo generalizado de Darcy [12], a velocidade superficial de cada fase i é calculada como:

Onde a permeabilidade efetiva da fase i (Ki) definida como a uma média estatística das condutividades do fluido em todos os canais que permitem o escoamento dentro do corpo sólido. Ela é expressa como:

K é o tensor de permeabilidade do meio poroso e kri (S2) é a permeabilidade relativa da fase i, cujo valor entre 0 e 1 depende da saturação local da fase molhante S2. Essa modelagem sugere que a presença de outro fluido reduz o espaço vazio disponível, reduzindo assim a permeabilidade local. As duas correlações de permeabilidade relativa mais amplamente utilizadas são a de Brooks e Corey [13] e Van Genuchten [14]. Outra definição que surge devido aos efeitos capilares dentro do meio poroso, é a pressão capilar. Com isso, não existe a igualdade entre os campos de pressão médios de cada fase. Ele é representada pela diferença de pressão como na equação abaixo [15]

Os valores de pc são geralmente obtidos experimentalmente e, em seguida, correlacionados em um modelo de pressão capilar. A correlação de pressão capilar elimina uma incógnita do sistema e as equações de balanço de massa ficam:


Com p1 e S2 as variáveis ​​do sistema.


Uma forma de verificar a acurácia desta modelagem é compará-la com soluções analíticas ou semi-analíticas conhecidas na literatura. Nos métodos analíticos as soluções matemáticas exatas são obtidas sob circunstâncias muito especiais, com muitas idealizações e simplificações para descrever os problemas físicos de interesse.


5. Comparações com soluções analíticas


Apesar do progresso significativo nas técnicas de simulação numérica, as soluções analíticas, quando disponíveis, fornecem uma perspectiva mais direta sobre os fenômenos físicos associados, especialmente quando envolve os efeitos de vários parâmetros para um determinado problema.


Um exemplo desse tipo de solução é a de Buckley-Leverett para deslocamento bifásico não-capilar em um sistema homogêneo e unidimensional [16], cuja extensão para um sistema heterogêneo unidimensional composto foi feita por [17]. Na próxima seção, serão apresentados resultados comparativos com soluções analíticas para os casos unidimensionais: (i) linear homogêneo e (ii) linear heterogêneo. As deduções e os métodos de solução para essas formulações estão detalhados em [18,19].



5.1. Avaliação de parâmetros específicos : razão de viscosidade


O primeiro cenário a ser avaliado é o problema linear unidimensional com solução semi-analítica para deslocamento de dois fluidos. Esse tipo de solução possui em seu algoritmo algum processo iterativo, o que a torna semi-analítica. Nesse caso, um fluido é injetado no meio poroso saturado com óleo, conforme ilustrado na Figura 2.

Figura 2: Desenho esquemático da geometria 1D linear.